terça-feira, 23 de janeiro de 2018

Óscares

Nomeados para Melhor Filme

As nomeações para os prémios da Academia de Artes e Ciências Cinematográficas apresentou esta quarta-feira os nomeados para os Óscares. Conheça melhor os filmes em questão, que incluem A Forma da Água, Três Cartazes à Beira da Estrada ou Dunkirk. A cerimónia é a 4 de Março.


PÚBLICO 23 de Janeiro de 2018

Jordan Peele, Greta Gerwig, Christopher Nolan, Guillermo del Toro e Paul Thomas Anderson estão nomeados para Melhor Realizador e integram também a mais alargada lista dos nomeados para Melhor Filmes

Tiffanny Hadish e Andy Serkis anunciaram nesta quarta-feira os nomeados deste ano para os Óscares da Academia. A cerimónia, a 4 de Março, será apresentada pelo comediante Jimmy Kimmel pela segunda vez. Foram nove os nomeados para Melhor Filme. Conheça-os melhor.

A Forma da Água
O filme de Guillermo Del Toro tem 13 nomeações e conta a história da relação entre uma mulher muda (Sally Hawkins, nomeada para Melhor Actriz) e uma criatura anfíbia num laboratório secreto no início dos anos 1960. A estreia em Portugal está marcada para 1 de Fevereiro. Relembre o que Vasco Câmara escreveu quando o filme passou em Veneza em Setembro.


Três Cartazes à Beira da Estrada
Realizado Martin McDonagh, centra-se numa mulher a procurar justiça para a filha que foi violada e morta. Tem nove nomeações, incluindo Melhor Argumento Original, bem como Melhor Actriz, para Frances McDormand, e duas de Melhor Actor Secundário, para Woody Harrelson e Sam Rockwell. Leia a crítica de Luís Miguel Oliveira.



Dunkirk
É um filme sobre o cerco às tropas aliadas na praia de Dunkirk, no Norte de França, durante a Segunda Grande Guerra. Leia as críticas de Jorge Mourinha e Luís Miguel Oliveira ao filme de Christopher Nolan que está também nomeado para Melhor Realização e outras seis categorias.


Chama-me Pelo Teu Nome
Também na categoria principal há Chama-me Pelo Teu Nome, o filme de coming-of-age de Luca Guadagnino passado em Itália no início dos anos 1980 e centrado na relação entre um estudante na casa dos 20 e um adolescente. Jorge Mourinha escreveu sobre ele aquando da exibição surpresa no Festival de Berlim em Fevereiro do ano passado, mencionando a revelação que é Timothée Chalamet, nomeado para Melhor Actor. Quando se estreou entre nós, Luís Miguel Oliveira fez a crítica no Ípsilon.


Foge
Além da nomeação para Melhor Filme, Jordan Peele, actor cómico transformado em realizador, conseguiu mais duas nomeações, uma de Melhor Realização (Peele é apenas o quinto realizador negro a ser nomeado) e outra de Melhor Argumento Original. Este filme está ainda nomeado na categoria de Melhor Actor para Daniel Kaluuya. Leia as críticas de Jorge Mourinha e Luís Miguel Oliveira ao filme de terror sobre um fotógrafo negro que vai passar o fim-de-semana a casa dos pais da namorada branca e vê o seu mundo virado do avesso.


Linha Fantasma
O filme de Paul Thomas Anderson ainda não teve estreia entre nós (tal acontecerá a 1 de Fevereiro). É o derradeiro filme de Daniel Day-Lewis, que valeu uma nomeação ao actor agora reformado, sobre o qual escrevemos quando otrailer saiu. É sobre um estilista na Londres dos anos 1950, e a relação que inicia com uma jovem mulher


The Post
O filme de Steven Spielberg sobre a corrida à publicação dos Pentagon Paperspelo The Washington Post no início dos anos 1970, que não está nomeado para Melhor Realização, só se estreia na quinta-feira, saindo a crítica na edição de sexta-feira do Ípsilon.


Lady Bird
Marca a estreia a solo da mais conhecida como actriz Greta Gerwig na realização e está nomeado para Melhor Argumento Original e Melhor Realização – é apenas a quinta vez que uma mulher é nomeada, depois de Lina Wertmüller, Jane Campio, Sofia Coppola e Kathryn Bigelow. É outra história coming of age de época, mas centrada numa rapariga a crescer em Sacramento, na Califórnia, no início dos anos 2000. Valeu, depois de Brooklyn, a Saoirse Ronan a sua segunda nomeação para um Óscar de Melhor Actriz. Só chega a Portugal a 15 de Março


A Hora Mais Negra
O último nomeado é A Hora Mais Negra, de Joe Wright, centrado na pressão que Winston Churchill, à frente dos comandos de Inglaterra, teve para fazer um acordo com Hitler durante a Segunda Grande Guerra. Valeu uma nomeação para Melhor Actor a Gary Oldman. Leia a crítica de Jorge Mourinha.


Pioneiros e outras nomeações

Há bastantes pioneiros nestas nomeações. Dee Rees, que realizou Mudbound - As Lamas do Mississípi, é a primeira mulher negra a ser nomeada para Melhor Argumento Adaptado (partilha a nomeação com Virgil Williams), enquanto Rachel Morrison, a directora de fotografia do filme, é a primeira mulher a ser nomeada para Melhor Direcção de Fotografia, e Mary J. Blige, nomeada para Melhor Actriz Secundária, é a primeira pessoa a ser nomeada para esse prémio e também para Melhor Canção Original. Leia a crítica de Luís Miguel Oliveira ao filme.

Ainda em termos de pioneiros, Yance Ford, que realizou Strong Island, um dos filmes nomeados para Melhor Documentário, sobre o homicídio do seu irmão, é transgénero, o que torna o seu filme o primeiro nomeado pela Academia a ser realizado por alguém abertamente transgénero – e é apenas a terceira pessoa, depois de Angela Morley e Anohni, assumidamente transgénero a ser nomeada para um Óscar. Leia o que Joana Amaral Cardoso escreveu sobre o documentário quando chegou ao Netflix.





Sem comentários:

Enviar um comentário