terça-feira, 1 de março de 2016

Morreu George Kennedy, um “duro” do cinema americano

SÉRGIO C. ANDRADE  01/03/2016

Actor tinha 91 anos e uma carreira com mais de duzentos filmes. Ganhou um Óscar de Melhor Actor Secundário em O Presidiário (1967), ao lado de Paul Newman.


Fez mais de duzentos filmes em quase seis décadas de carreira, mas foi sobretudo como actor secundário, a dar réplica e brilho às stars com quem contracenava, que George Kennedy marcou o último meio século do cinema norte-americano. O intérprete que teve como momento mais alto o Óscar de Melhor Actor Secundário em O Presidiário (1967), de Stuart Rosenberg, ao lado de Paul Newman, morreu no domingo na sua casa em Boise, Idaho, aos 91 anos.

A notícia da morte foi dada pelo neto Cory Schekel no Facebook, que depois acrescentou à imprensa americana que o avô tinha ficado progressivamente debilitado na sua saúde após a morte da sua (segunda) mulher, Joan McCarthy, em 2014.

George Kennedy e Paul Newman em O Presidiário

Em O Presidiário, George Kennedy é companheiro de prisão do “indomável” Paul Newman. Em muitos outros filmes, contracenou com um verdadeiro panteão de estrelas: Frank Sinatra, Bette David, John Wayne, Cary Grant, Burt Lancaster, Charlton Heston, Gregory Peck, James Stewart, Robert Mitchum, Clint Eastwood... E só num deles, Doze Indomáveis Patifes (Robert Aldrich, 1967), trabalhou com Lee Marvin, John Cassavettes, Donald Sutherland, Charles Bronson, Robert Ryan, Robert Webber, etc.

Se o papel de duro, sempre na sombra do primeiro nome do cartaz – à excepção de The Human Factor (Edward Dmytryk, 1975), em que protagonizou a vingança de um engenheiro informático perseguindo os assassinos da sua família –, era a sua principal "praia", George Kennedy mostrou que sabia fazer de tudo, inclusivamente comédia, como na sagaAonde Pára a Polícia (1988-94), em que foi o polícia Ed Hocken ao lado de Leslie Nielsen.

Kennedy foi também o único actor a marcar presença no primeiro e em todas a sequelas de Aeroporto (George Seaton, Henry Hathaway, 1970) até ao quarto Aeroporto 80 (David Lowell Rich, 1979), como capitão Joe Patroni. Além disso, entrou em várias séries televisivas, como Sarge (NBC), The Blue Kight ou Dallas (ambas da CBS).

Era, enfim, “um dos actores mais versáteis” e que encarnou “personagens duradouros” no cinema e na televisão americanos, como realça o The New York Times.

Flores para o actor no Passeio da Fama em Hollywood

Mesmo se a sua entrada no mundo do cinema foi algo tardia, já que, nascido em 1924, em Nova Iorque, só verdadeiramente nos anos 60 encontrou o seu lugar em Hollywood. Antes, e durante década e meia, fez carreira militar, tendo mesmo combatido na Europa na 2.ª Guerra Mundial. Terminado o conflito, manteve-se nas Forças Armadas a dirigir departamentos de rádio e televisão, experiência que lhe permitiria dar depois o salto para o mundo do cinema.

A sua última aparição no grande ecrã aconteceu em The Gambler (Rupert Wyatt, 2014), ao lado de Mark Wahlberg e Jessica Lange.

Em 1991, viu o seu nome inscrito no Passeio da Fama de Hollywood, e, em 2011, publicou as suas memórias, com o título Trust Me. E o cinema americano confiou nele, durante mais de meio século.

Sem comentários:

Enviar um comentário