domingo, 20 de dezembro de 2015

As Nuvens de Sils Maria


De Olivier Assayas

Um glorioso melodrama feminino desconstruído e reinventado, sobre o tempo que passa por uma actriz (maravilhosa Juliette Binoche) que dá por si a “fechar o círculo” da sua carreira. Contado com uma fluidez de rio a vogar sem pressas, confirma o francês como um dos cineastas mais vitais dos nossos dias. Jorge Mourinha

Não é logo à primeira que se percebe estar-se, com As Nuvens de Sils Maria, em presença de um glorioso melodrama feminino, woman’s picturedesconstruída e reinventada, sobre o tempo que passa por uma mulher que aprende finalmente a ter a sua idade.

O novo filme de Olivier Assayas é vago, esquivo, está sempre a fazer tangentes à evidência; aqui uns pózinhos de Fassbinder e da sua Petra von Kant (que parece ter inspirado claramente a “peça dentro do filme”) cruzado com muito Tennessee Williams, ali uns ecos da Gloria Swanson do Sunset Boulevard.Assayas, afinal, foi crítico de cinema, conhece a sua história, e ao fazer de Sils Maria a história de uma actriz que dá por si a “fechar o círculo” da sua carreira sabe muito bem com o que é que se está a medir. É, além do mais, um filme que dialoga com as anteriores obras do realizador, o magistral Carlos(2010) e o intrigante Depois de Maio (2011), no modo como equaciona os conceitos de poder e idealismo, e como o tempo e a experiência os alteram imperceptivelmente.



Juliette Binoche interpreta Maria Enders, actriz disparada para o estrelato aos 19 anos de idade com o papel de Sigrid, uma jovem ambiciosa e arrivista que leva a patroa Helena à paixão e ao desespero numa peça que marcou o seu tempo. 30 anos depois, é desafiada por um jovem encenador alemão para retomar a peça, mas agora no papel de Helena, a mulher mais velha, no exacto momento em que é informada da morte do dramaturgo que escreveu e encenou a peça e fez dela uma estrela. Ao aceitar o desafio, Maria embarca também numa viagem existencial; partindo para a casa do dramaturgo nas montanhas de Sils Maria com a sua assistente (uma impecável Kristen Stewart) para trabalhar na peça, questiona, resiste, duvida da sua própria decisão. Nunca se deve voltar ao local onde se foi feliz, diz-se; Maria de algum modo desafia o destino e as superstições da gente do teatro ao regressar a Sils Maria, à peça que a tornou célebre, ao ser forçada a admitir que o mundo mudou à sua volta e que já não pode continuar a agarrar-se a Sigrid, que ela é agora Helena, a mulher mais velha destinada a ficar para trás, a dar lugar à jovem. É possível fazê-lo sem desistir da vida?

Realização: Olivier Assayas
Actor(es): Juliette Binoche, Kristen Stewart, Chloë Grace Moretz


Maria tem de largar o passado, aceitar o presente, e é essa viagem que confunde palco e vida, mulher e actriz, que Binoche corporiza numa interpretação soberba, modulada com uma extraordinária delicadeza tonal, filmada com total entrega por Assayas; Kristen Stewart, no papel da assistente que é também a sua consciência (papel ingrato mas que lhe permite jogar com a sua própria “imagem de marca” como a Bella dos filmesCrepúsculo), responde com uma energia igualmente doseada. Assayas encena o todo com uma fluidez de rio a vogar sem pressas, que sabe para onde vai sem se preocupar grandemente por onde, e as paisagens de cortar a respiração da Suíça emprestam uma dimensão quase mística, de “calvário” ou “ressurreição” que remetem para um outro filme onde Binoche explorava esta passagem constante entre o palco e a vida, a Maria Madalena de Abel Ferrara (2005). Em qualquer dos casos, As Nuvens de Sils Maria é de uma inteligência e de uma elegância sem paralelo, confirmando Assayas como um dos mais incisivos retratistas femininos e um dos cineastas mais fascinantes dos nossos dias.


Sem comentários:

Enviar um comentário