sábado, 27 de junho de 2015

O Homem Demasiado Amado


A desaparecida

LUÍS MIGUEL OLIVEIRA   25/06/2015

André Téchiné continua a trabalhar com os mesmos elementos, mas as coisas já não funcionam da mesma maneira. O cineasta já fez muito melhor.


Em O Homem Demasiado Amado, Téchiné regressa ao Sul de França um dos seus cenários preferidos



Nem o regresso a um dos seus cenários preferidos, o Sul de França, local de vários dos seus melhores filmes, vivifica de forma substancial o cinema de André Téchiné.

O Homem Demasiado Amado

Realização: André Téchiné
Actor(es): Guillaume Canet, Catherine Deneuve, Adèle Haenel

Estamos — e temos estado, na sua obra recente — bastante longe do seu melhor, da coesão dramatúrgica nascida duma cuidada mescla de realismo descritivo e complexidade psicológica, que fazia (e faz ainda) a força de filmes como Hôtel des Amériques, A Culpa dos Inocentes ou A Minha Estação Preferida. Se à superfície nada mudou, e Téchiné e continua a trabalhar com os mesmos elementos, parece notório que as coisas já não funcionam da mesma maneira — os seus filmes tornaram-se “aguados”, lassos, feitos com uma distância indiferente. O Homem Demasiado Amado também é assim, nunca desagradável, nunca, digamos, “incompetente”, mas incapaz — nem que seja por um plano — de justificar uma verdadeira razão para existir para além da necessidade, quase burocrática, de picar o relógio de ponto. O filme baseia-se num caso policial, célebre em França, sucedido nos anos 70, quando a herdeira dum casino na Côte d’Azur desapareceu sem deixar rasto, caso só fechado em 2014 com a condenação do principal suspeito.


Torna-se difícil de dizer se são os aspectos policiais ou judiciais que motivam Téchiné, que os remete para uma espécie de adenda, relatando os esforços da mãe (Catherine Deneuve) da desaparecida para não deixar o caso no esquecimento. Durante dois terços, o filme concentra-se nos tempos antes do desaparecimento, e em particular na relação entre a rapariga (Adèle Haenel) e o advogado (Guillaume Canet) contratado pela mãe para tratar, entre outros dos assuntos sucessórios, com uma série de intrigas paralelas referentes à “máfia dos casinos”. O tom nunca é o de um filme “policial”, o que é curioso sendo a sua inspiração a que é. Mas esses aspectos não trazem mais complexidade ao filme, apenas o dispersam e atenuam a potencial força do que, no fundo, mais parece interessar Téchiné, a história da relação daquele par. Por alguma razão — a encontrar no carácter pouco concentrado da organização narrativa e na distância pouco empenhada com que Téchiné encena o seu “realismo” — essa potencial força não se confirma, ficando-se pela pálida repetição de coisas que o cineasta já fez muito melhor.

Sem comentários:

Enviar um comentário